(0)

Há alguns anos, o mundo vem conhecendo um movimento por vezes chamado Rooftopping (tradução livre, Sobre os Telhados), às vezes chamado de Skywalking (na tradução, Caminhada no Céu). Basicamente, esse movimento consiste em pessoas que sobem em alguns dos prédios ou monumentos mais altos do mundo e tiram selfies de tirar o fôlego, de ângulos completamente inusitados.

Em geral, os jovens que sobem para fotografar burlam algumas leis, invadem espaços fechados e se apropriam da cidade por meio também da escalada. Tudo em busca do ângulo mais perfeito para a sua arte..

Entre os fotógrafos mais conhecidos dessa categoria está o canadense Tom Ryabo, que coleciona imagens fantásticas e também algumas prisões por invasão.

Confira algumas das imagens de Tom:

Outro sujeito bem conhecido na arte de brincar com o perigo nas selfies é o russo  Alexander Remnev, que tem desafiado alturas no mundo todo e já criou uma legião de seguidores. Veja algumas das fotos de Remnev:

O adolescente russo de 19 anos tem tantos seguidores e se tornou uma figura tão emblemática que fez com que o governo russo lançasse uma campanha sobre o perigo de tirar esse tipo de fotos. Com imagens de placas de proibido super bem humoradas, a Rússia criou até um site para discutir a validade de se arriscar por um bom clique.

No Brasil, essa ocupação urbana radical sempre ocorreu com os pixadores, que escalam prédios para marcar seus nomes, mostrando o quanto são corajosos e ousados para seus grupos rivais. Já o movimento das selfies, tem começado lentamente. Hoje já pipocam alguns vídeos e fotos aqui e ali sobre o tema. Um exemplo é esse, da escalada da Ponte Estaiada em São Paulo.

Nós aqui da Comunidade achamos os cliques realmente fantásticos, mas ficamos pensando se vale a pena arriscar a vida - e também seu Moto! - por uma foto espetacular. No fim, a gente acha que não. E, se você está pensando em começar a praticar o Rooftopping, lembre-se de pensar sempre no quanto é possível manter a segurança nas suas selfies. Equipamentos de segurança, barreiras físicas e até um pouco de medo podem garantir fotos incríveis, de lugares excepcionais, sem risco nenhum.

Afinal, a gente tem certeza que nenhum selfie vale o preço de uma vida!